São Paulo: R$ 8.6 bilhões em imóveis estão ligados a empresas offshore

Pesquisa da Transparência Internacional alerta sobre riscos de lavagem de dinheiro na capital paulista

Issued by Transparency International Secretariat



Uma pesquisa conduzida pela Transparência Internacional descobriu que, em São Paulo, 3.452 imóveis cujo valor somado atinge pelo menos R$ 8.6 bilhões estão vinculados a empresas offshore ou empresas registradas em jurisdições pouco transparentes. Tais dados apontam para o alto de risco de que imóveis estejam sendo usados para lavar dinheiro na maior cidade do Brasil.

Perto do primeiro aniversário do escândalo conhecido como Panama Papers, que mostrou a extensão do uso de empresas secretas pela corrupção, este estudo inédito, intitulado "São Paulo: a Corrupção Mora ao Lado?", mostra que milhares de imóveis de alto padrão estão em nome de 236 empresas ligadas a arranjos corporativos baseados em jurisdições pouco transparentes, como Ilhas Virgens Britânicas, o estado americano de Delaware e Uruguai.

Para chegar a essa conclusão, o estudo cruzou dados de composição societária obtidos na Junta Comercial de São Paulo com dados sobre propriedade imobiliária tornados públicos pela Prefeitura de São Paulo após uma parceria com a Transparência Internacional.

O alerta mais relevante trazido pelo estudo é o de que é impossível saber quem é a pessoa física por trás dessas empresas que detêm imóveis via offshores.

“Os legisladores brasileiros precisam prestar atenção a este estudo revelador. Ele deve servir como alerta às autoridades para que estejam atentas aos riscos de lavagem de dinheiro, ocultação de patrimônio e evasão fiscal. É alarmante que não consigamos saber quem são os verdadeiros donos de R$ 8.6 bilhões de ativos imobiliários em São Paulo. É por essa razão que a Transparência Internacional recomenda um registro público de propriedades de maneira que os corruptos não possam esconder dinheiro ilícito tão facilmente” disse José Ugaz, presidente da Transparência Internacional.

Principais resultados:

“Revelar os verdadeiros donos desses imóveis é quase impossível embora muitas bases de dados estejam públicas. Precisamos de um sistema que seja fácil de usar e que seja transparente. Gastamos centenas de horas analisando dados à mão. Na época em que vivemos, tais análises deveriam ser muito mais fáceis, já que a tecnologia já existe, mas o que falta é vontade política”, disse Fabiano Angélico, autor do estudo. 

No corredor das Avenidas Chucri Zaidan e Luis Carlos Berrini estão 820 imóveis cujos proprietários são empresas ligadas a offhores - juntas, essas empresas valem R$ 1,1 bilhão. Na Avenida Paulista, o estudo localizou 195 imóveis, no valor somado de quase R$ 120 milhões e na Faria Lima estão 67 propriedades que, juntas, valem R$ 131 milhões. Todos estes valores são baseados naqueles registrados oficialmente, portanto os valores de mercado destas propriedades pode ser ainda muito maior.

A Transparência Internacional recomenda as seguintes medidas prioritárias para aumentar a transparência e dificultar a lavagem de dinheiro:

Não é ilegal que uma empresa registrada em uma jurisdição secreta opere no Brasil. O fato de uma pessoa jurídica brasileira estar listada nessa pesquisa significa apenas que ela é dona de imóveis em São Paulo e é ou foi controlada, majoritária ou parcialmente, por empresas registradas em paraísos fiscais.

A Transparência Internacional defende o fim dos paraísos fiscais e das jurisdições que permitem ocultar os beneficiários finais de empresas, porque são um dos principais meios para lavar dinheiro do crime organizado e de grandes esquemas de corrupção.

Em 70% de 200 casos de grande corrupção analisados pelo Banco Mundial, criminosos usaram empresas secretas para esconder quem é o verdadeiro dono dos ativos adquiridos por meio dessas empresas - e a compra de imóveis é um dos principais objetivos de se lavar dinheiro por meio de uma offshore.

* A taxa de conversão cambial utilizada neste estudo é de 10 de fevereiro de 2017, em que 1 Real valia 0.3209758 dólares americanos.


For any press enquiries please contact

Berlin, Germany
Natalie Baharav
E: [email protected] landcommerce.info
T: +49 30 34 38 20 666

São Paulo, Brazil
Flávia Tavares
E: .(JavaScript must be enabled to view this email address)
T: +55 11 3817 7914

Cláudia Santos
E: .(JavaScript must be enabled to view this email address)
T: +55 11 3817 7925

Solicitude

Support Transparency International

Risky business: Europe’s golden visa programmes

Are EU Member States accepting too much risk in their investor migration schemes?

Future Against Corruption Award 2018

TI is calling on young people across the globe to join the anti-corruption movement. People between the age of 18 and 35 are invited to submit a short video clip presenting their idea on new ways to fight corruption. Three finalists will be invited to Berlin during the International Anti-Corruption Day festivities to be awarded with the Future Against Corruption Award. Apply today!

The Azerbaijani Laundromat one year on: has justice been served?

In September last year, a massive leak of bank records from 2012 to 2014 showed that the ruling elite of Azerbaijan ran a $3 billion slush fund and an international money laundering scheme. One year on, has enough been done to hold those involved to account?

Right to information: knowledge is power

The right to information is vital for preventing corruption. When citizens can access key facts and data from governments, it is more difficult to hide abuses of power and other illegal activities - governments can be held accountable.

Paradise lost among Maldives dodgy land deals

Should tourists run for cover as a storm of corruption allegations sweeps across the Maldives?

Foreign bribery rages unchecked in over half of global trade

There are many losers and few winners when companies bribe foreign public officials to win lucrative overseas contracts. In prioritising profits over principles, governments in most major exporting countries fail to prosecute companies flouting laws criminalising foreign bribery.

Ensuring that climate funds reach those in need

As climate change creates huge ecological and economic damage, more and more money is being given to at-risk countries to help them prevent it and adapt to its effects. But poorly governed climate finance can be diverted into private bank accounts and vanity projects, often leading to damaging effects.

Why rather

Follow us on Why rather